POUQUINHO DE MIM ^^,

Minha foto

SOU ASSISTENTE SOCIAL, E ESPECIALISTA EM GESTÃO PÚBLICA EM ASSISTÊNCIA SOCIAL. TRABALHO COMO PERITA SOCIAL NA JUSTIÇA FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO. 
Meus BLOGs
Cantinho da Gastroplastizada Assistente Social Karla Freitas
Cantinho da Assistente Social Karla Freitas

Translate

English French German Spain Italian Dutch
Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified
By Ferramentas Blog

19 de ago de 2009

A redação científica

A redação científica Winston Bonetti Yoshida* Como apontado no editorial adjunto desta edição,a pesquisa científica envolve várias etapas consecutivas,tais como: idéia brilhante, levantamento da literatura, formulação da hipótese, delineamento, execução e redação. A redação é fundamental para a divulgação do trabalho executado. Como apontado em outros editoriais desta revista, a publicação em revista especializada é o meio mais efetivo de divulgação, pois atinge um público muito maior do que qualquer sala de congresso,valoriza o serviço e o trabalho do autor e ajuda no crescimento de nossa especialidade. A redação nada mais é do que um relatório sobre o projeto executado.Ele precisa ser simples, claro, preciso e conciso. Ao aplicar seu estilo pessoal ao texto, os autores precisam tomar cuidado para não contaminá-lo com excesso de verborragia, rebuscamento, erudição e gongorismo.Deve-se evitar inversões de frases, trocadilhos e metáforas.É preciso lembrar que o texto científico não é poético nem literário, e sim um relatório simples, claro,preciso e conciso, para ser compartilhado entre os colegas. Antes de começar a escrever, é preciso selecionar a revista (analisar fator de impacto, indexação e públicoalvo)e ler com atenção as suas normas. Paralelamente a isso, é preciso ler a literatura disponível – de preferência os textos completos. Nessa fase, faz-se o planejamento da redação, que inclui a estrutura do fluxo de idéias, que precisa ter começo, meio e fim. É mais fácil começar pelos materiais e métodos e resultados, para depois encarar a introdução e a discussão, que têm redação mais trabalhosa. O título em geral vem por último, mas requer muita habilidade. Da mesma forma que o texto,deve ser sintético e objetivo, levando-se em consideração que este será o primeiro filtro do leitor. É aconselhável incluir no título palavras-chave, pois ele será usado para indexação. A introdução é a forma como o pensamento foi encaminhado para pergunta, ou seja, o que vai ser feito,a importância do tema ou problema (freqüência/gravidade)e sua evolução até a pergunta da pesquisa. É preciso dizer por que a pesquisa foi feita, com informações sobre o que se conhece e sobre as lacunas existentes. Em artigos originais, e mesmo em algumas revisões, é aconselhável não iniciar a introdução com intermináveis aspectos da história da medicina, recurso muito usado em nosso meio. A introdução não serve para mostrar erudição, nem é para dar aula sobre o assunto. As informações devem ser agrupadas sucintamente por tópicos, em vez de um critério exclusivamente cronológico.Finalmente, fecha-se a introdução pontando o que se pretende mostrar. Na seção de materiais e métodos, é preciso incluir todas as informações necessárias para permitir que qualquer leitor possa repetir o trabalho. Deve-se descrever o tamanho da amostra (e como foi calculado), suas características, critérios de inclusão e exclusão, randomização (processo de sorteio dos grupos), seqüência experimental, parâmetros, equipamentos, e análise estatística. Devem-se definir com precisão os grupos e a amostra, incluindo critérios diagnósticos, estágios da doença e procedência. No caso de grupos controle, são definidos igualmente critérios para sua inclusão e suas características, bem como a forma de pareamento com os demais grupos. Os resultados devem expor os achados de forma fria, simples e sem repetições ou comentários, usandose tabelas, gráficos, fotos e desenhos. Deve-se colocar neles os dados de tendência central, tais como média e desvio padrão ou erro padrão ou mediana, moda e separatrizes, com os respectivos valores dos testes estatísticos. Na discussão, faz-se a ligação entre os resultados e a literatura. De modo geral, pode-se fazer a discussão do método (discutindo amostra, grupos, procedimentos, delineamento, modelo, técnicas empregadas, etc.), seguida pela discussão dos resultados (precisão, limitação,coerência, significância clínica). A discussão deve explicar os achados, incluir pontos fortes e fracos do trabalho e projetar novas investigações. Também nesta seção deve-se evitar repetir os resultados e a introdução,assim como explicar o inexplicável e comentar assuntos não relacionados. As conclusões são a parte final, onde deve constar se os resultados autorizam as mesmas,vinculando-as estritamente aos objetivos. O resumo é por onde todos começam a ler um artigo e por isso deve incluir os aspectos importantes da cada item. Quando estruturado, deve incluir contexto, hipótese, objetivos, delineamento geral, resultados com análise estatística, aspectos fundamentais da discussão,conclusões principais e novas perspectivas, em geral em cerca de 200 palavras. Algumas revistas dispensam o contexto. Nos agradecimentos, divulga-se a agência financiadora,assim como entidades ou pessoas que tenham ajudado significativamente na elaboração do artigo.Deve-se evitar agradecimentos pelo apoio, estímulo,incentivo recebidos, ou pela cessão de equipamentos. As referências devem ser colocadas de acordo com as normas da revista, sem inflacionar, procurando-se,sempre que isso for pertinente, citar autores nacionais e latino-americanos. Existem programas de computador que auxiliam nesse processo e facilitam sobremaneira o trabalho da citação bibliográfica.Uma vez terminado o trabalho de redação, deve-se dar um acabamento ao texto, suprimindo palavras desnecessárias, conferindo ligações entre sentenças e parágrafos, reescrevendo trechos de forma mais simples e direta (evitar voz passiva), padronizando o tempo verbal (preferencialmente no passado simples) e a pessoa (preferencialmente terceira pessoa do singular).Esse processo deverá ser feito por todos os co-autores e,eventualmente, por amigos que não participaram da elaboração. O autor do trabalho é, em geral, aquele que tem maior participação e escreve o texto final. Os co-autores são aqueles que efetivamente participaram do projeto e da execução. Assim, uma vez percorrido esse trajeto, o manuscrito deverá ser encaminhado, preferencialmente, para a nossa revista. A revisão será feita pelo corpo editorial, e as críticas apresentadas sempre serão um aprendizado importante para futuras publicações. É preciso vencer um hábito cultural arraigado em nossa Sociedade, de só apresentar os trabalhos na forma de temas-livres, em congressos. A nossa Sociedade, uma das maiores do mundo em número de sócios, precisa mostrar sua produção para a comunidade internacional através da publicação em nossa revista, para ser grande também em qualidade de artigos. Não existem fórmulas mágicas para se fazer uma boa redação, mas a bibliografia recomendada pode incentivar e ajudar neste mister. * Editor-chefe, J Vasc Bras. J Vasc Bras 2006;5(4):245-6. Copyright © 2006 by Sociedade Brasileira de Angiologia e de Cirurgia Vascular. Bibliografia recomendada 1. Yoshida WB. A nossa produção científica invisível. J Vasc Bras. 2005;4:113. 2. Yoshida WB. Temas livres versus publicação. J Vasc Bras. 2005;4:319-20. 3. Campana AO. Redação de trabalho científico. J Pneumol. 2000;26:30-5. 4. Nahas FX, Ferreira LM. A arte de redigir um trabalho científico. Acta Cir Bras. 2005;20 Supl. 2:17-8. 5. Volpato GL, de Freitas EG. Desafios na publicação científica. Pesqui Odontol Bras. 2003;17(Supl 1):49-56. 6. Bolamos CEF. Redacción y presentación de informes. Rev Cienc Adm Financ Segur Soc. 2003;11:75-85. 7. Fried PW, Wechsler AS. How to get your paper published. J Thorac Cardiovasc Surg. 2001;121:S3-7.

Nenhum comentário:

VOCÊ TAMBÉM PODE SE INTERESSAR POR ESTES POSTS

Related Posts with Thumbnails